Home Portal do Níquel Galvabrasil Prêmio Brasil Galvanizado Zinco Salva Crianças Facebook EN

Notícias e Artigos Explore mais notícias e artigos

15/12/2016

Governo de Minas realiza audiências sobre novo depósito de rejeitos da Samarco

Fonte: Agência Brasil

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) de Minas Gerais realiza hoje (14) e amanhã (15) audiências públicas para discutir o licenciamento ambiental para a cava [cova resultante de atividade mineradora] de Alegria do Sul, no município de Ouro Preto (MG), que a mineradora Samarco pretende utilizar como depósito de rejeitos ao retomar suas operações.

No final de novembro, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) concedeu a anuência para a utilização da cava. No entanto, o licenciamento do governo mineiro é obrigatório. A primeira audiência ocorre hoje (14) em Ouro Preto, às 18h30. A segunda será em Mariana (MG), na Arena Mariana, no mesmo horário. Ainda não há previsão para a decisão final da Semad.

As operações da Samarco estão suspensas desde o rompimento da barragem de Fundão, em 5 de novembro de 2015 em Mariana (MG), na maior tragédia ambiental do país, quando foram liberados mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos. O vazamento provocou devastação de vegetação nativa, poluição da Bacia do Rio Doce e destruição dos distritos de Bento Rodrigues, Paracatu e Gesteira, além de outras comunidades. No episódio, 19 pessoas morreram.

No mês passado, a Justiça Federal aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra 22 pessoas envolvidas no episódio e quatro empresas: a Samarco, suas acionistas Vale e BHP Billiton, e a VogBR, responsável por laudo que atestava a estabilidade da barragem.

Retomada

Obter o licenciamento da cava de Alegria do Sul não é suficiente para que a Samarco retome suas operações. Também será necessário que o governo de Minas conceda à empresa a Licença Operacional Corretiva, liberando assim as licenças ambientais que foram suspensas após a tragédia.

A Samarco pretende retomar as operações com 60% de sua capacidade produtiva. A cava de Alegria do Sul pode armazenar aproximadamente 17 milhões de metros cúbicos de rejeitos e não tem conexão física com o Complexo de Germano, ao qual pertencia a barragem de Fundão.

De acordo com a proposta, a estrutura seria utilizada por dois anos e, nesse período, a mineradora se encarregaria de apresentar alternativas para os anos posteriores. Ao dar o seu aval à mineradora, o DNPM considerou que “a solução proposta é extremamente segura”.

Em nota divulgada hoje (14), a Samarco apresentou uma previsão de produzir aproximadamente 36,7 milhões de toneladas de minério de ferro nos dois primeiros anos após a retomada. “A empresa possui reservas de 2,86 bilhões de toneladas de minério de ferro no Complexo de Germano, em Mariana e Ouro Preto. Esse volume e a infraestrutura de transporte de três mineriodutos mais as quatro usinas pelotizadoras no Espírito Santo garantem condições de a Samarco continuar operando com competitividade no mercado internacional, caso consiga a aprovação dos órgãos ambientais”.

Estudo

Ontem (12), um estudo sobre o impacto financeiro da paralisação da mineradora em 2017, encomendado à Tendência Consultoria Integrada, aponta que se a mineradora não voltar a operar, deixarão de ser arrecadados no próximo ano R$ 989 milhões em impostos federais, estaduais e municipais. Além disso, estariam em risco cerca de 20 mil vagas diretas e indiretas de emprego.

A Prefeitura de Mariana defende o retorno das operações da empresa. Em entrevista à Agência Brasil no mês passado, o prefeito Duarte Júnior considerou importante a diversificação das receitas, mas não escondeu que a arrecadação com a mineração continua sendo a principal solução para a crise econômica na cidade “Imagina todo dia você recebendo alguém pedindo ajuda para encontrar emprego porque tem uma família para sustentar e o município não consegue gerar renda para essas pessoas. Muita gente entra em desespero e nos incomoda. Por isso, queremos o retorno da empresa, que não resolve completamente a situação, mas minimiza o problema”.

Fundada em 1977, a Samarco é uma empresa brasileira de mineração, de capital fechado, controlada em partes iguais por dois acionistas: a BHP Billiton Brasil Ltda. e a Vale S.A. O principal produto da companhia são pelotas de minério de ferro, comercializas para a indústria siderúrgica mundial.


Leia outras notícias e artigos

Associados ICZ

B.BOSCH GALVANIZAÇÃO DO BRASIL
Galvanização Raitz
Ind. Tudor de Baterias
Morlan S. A.
Nexa Resources
Oxiprana Indústria Química Ltda
PIGMINAS Fábrica de Pigmentos Minas Gerais
TRATHO METAL QUÍMICA LTDA.
Zinc Metais
ZINKPOWER
Ztec Galvanização a fogo