Galvaniza, Brasil!

GB-2013-300x203Com a presença maciça de profissionais e empresas do setor, GalvaBrasil 2013 consolida o evento como referência no calendário de encontros técnicos do setor de galvanização e metais.

Nos dias 22 e 23 de outubro, o hotel Caesar Park São Paulo Faria Lima foi palco da realização da se- gunda edição do GalvaBrasil – Congresso Brasileiro de Galvanização e feira de fomento ao setor, promovido pelo ICZ – Instituto de Metais Não Ferrosos. O evento foi prestigiado por mais de 200 profissionais ligados ao segmento de galvanização, entre engenheiros, arquitetos e técnicos de várias empresas.

Com uma agenda de 18 atividades, entre palestras e painéis, a programação do congresso foi bastante diversificada, abordando temas como a “A Situação Atual e Perspectivas Futuras do Mercado de Aço Brasileiro e Mundial’; “Os Avanços Tecnológicos da Indústria de Galvanização: Novas Tendências, “A Galvanização em prol do Crescimento Sustentável do País: a Versatilidade nas Aplicações” e “O Desenvolvimento da Galvanização no Segmento de Óleo & Gás’. Além dessas, mereceram destaque na programação as palestras internacionais, como a de “EGGA: O mercado consolidado da galvanização na União Europeia” e “Fluxecleaning 2.0′; a cargo de profissionais gabaritados e de altíssimo nível.

Já a feira de fomento contou com estandes de mais de 20 marcas como Bisol Zincoimpianti, Armco Staco, B.Bosr Bottaro, Euromáquina, Grupo Maccabeo, Herwig, Josita, Minas Zinco, MT450, Oxiprana, Química de Campo, Quimidream, Sergal, Sirio Trifer, Votorantim Metais, W. Pilling Western e Zinquímica.

“O GalvaBrasil ganhou definitivamente o seu espaço no calendário de encontros técnicos do setor de metais. Chegamos ao final desse encontro confiantes de que o fortalecimento do setor de galvanização no Brasil, dos players e de toda a cadeia produtiva é uma realidade, o que é muito importante para o desenvolvimento da indústria’; registra Carlos Marcelo Gonçalves Henriques, presidente do ICZ e diretor de vendas e marketing da Votorantim Metais. Nosso evento esse ano foi um sucesso, e espero por todos vocês na terceira edição do GalvaBrasil” complementa.

Oportunidades para todos

O Galva8rasil 2013 acontece num momento muito importante, no qual o mercado comemora a duplicação do consumo de aço galvanizado, que, nos últimos cinco anos, saltou de 1,6% para mais de 3% em relação à produção total. “Isso se deve, em grande parte, ao esforço e ao trabalho diligente realizado pelo ICZ, no sentido de unir toda a cadeia produtiva para desenvolver ainda mais esse mercado. E isso, aliás, num momento muito especial, em que alguns grandes projetos, finalmente, começam a sair do papel’; afirma Carlos Patrício, da 8.80sh, uma das empresas presentes no evento.

Fábio Norberto, da Trifer, compartilha o entusiasmo de Carlos: “O setor de galvanização, que por muito tempo ‘patinou’ em termos de performance, começa, lentamente, a ganhar novo fôlego. Acredito que questões relacionadas à falta de planejamento do governo, que redundou no atraso das obras de infraestrutura ganharão solução num futuro próximo. E, nesse contexto, as vantagens da galvanização estão se tornando cada vez mais evidentes’; explica o executivo da empresa, que destacou em sua participação no Galva8rasil 2013 o seu Sistema Duplex de pintura a pó sobre aço previamente galvanizado a quente, que garante a durabilidade do aço, dispensando manutenções, por até cem anos.

Apesar dos atrasos de cronograma para as grandes obras para a Copa do Mundo e das Olimpíadas diversas empresas do setor de galvanização acreditam que o processo de desenvolvimento do setor já entrou num ritmo irreversível de avanços. É o caso da Sergal, empresa especializada em galvanização por imersão a quente, que executa serviços em peças até 3,5 metros de comprimento, tendo forte conceito no mercado de porcas, parafusos arruelas, grades de piso, chapas expandidas, flanges, cantoneiras, degraus, haste, olhais, ganchos e peças em ferro fundido. “Vejo o mercado crescendo e com muitas oportunidades para todo mundo, muito em função dos benefícios do sistema, que são atraentes e de grande alcance’; sublinha Fabrício Aquino, executivo da companhia.

Confiante também na expansão de seus negócios, a Minas Zinco – empresa que ocupa uma posição de destaque nacional na produção e beneficiamento de ligas de zinco – fez questão de enfatizar em sua participação na Galva8rasil 2013 o seu compromisso de satisfazer seus clientes, por meio do estabelecimento e do fortalecimento de parcerias no mercado: “Fazemos isso por meio da oferta de produtos de alta tecnologia, com qualidade absoluta e garantia de alto desempenho. Por isso, ficamos muito satisfeitos com o grande número de contatos que realizamos durante o evento, tanto com novos profissionais e empresas, quanto com pessoas que já integram nossa extensa carteira de clientes”, revela Sheila Costa, da Minas Zinco, que tem unidades fabris instaladas em São Paulo e no Rio Grande do Sul.

Sustentabilidade que rima com rentabilidade

Outro ponto insistentemente enfatizado não só ao longo da programação de palestras do GalvaBrasil 2013, como também pelos expositores de uma feira de fomento, foi o desenvolvimento de soluções tecnológicas mais sustentáveis para gerar avanço no setor, tanto no que diz respeito à preservação ambiental, quanto no que tange ao uso mais racional das fontes de energia utilizadas nos processos de galvanização.

Trabalhando no ramo de produtos químicos e de processos de tratamento de superfícies, à Químidream materializam à oferta de soluções voltadas ao atendimento dessa crescente preocupação da indústria, mostrando aos visitantes do evento sua nova tecnologia de passivação trivalente. “Até agora, os players da galvanização estavam acostumados a utilizar somente o cromo hexavalente para passivação de peças, que é prejudicial para o meio ambiente. Já o cromo trivalente, além de não ser cancerígeno, é ecologicamente correto e altamente eficiente”, destaca Rafael Guerreiro, da equipe técnica da Quimidream.

Contudo, os benefícios da operação mais sustentável no campo de galvanização não se resumem às questões ligadas à ecologia. Foi o que a italiana Sírio Impianti procurou enfatizar em sua participação no GalvaBrasil 2013. A empresa acaba de fechar em contrato com a Armco Staco para instalação de uma moderna e completa estrutura de galvanização no Brasil, embarcada com os mais modernos sistemas e tecnologias de conservação ambiental, como também com soluções que permitem aumentar não só a produtividade de empresa, como também o uso racional de energia. “E isso, obviamente, se traduz em competitividade, o que é muito importante num setor em que a concorrência entre os players vem se acirrando cada vez mais’; explica Matteo Garabini, diretor da Sírio. E ele acrescenta que os custos para modernização são menores do que a maioria dos empresários imagina: “No caso da Sírio, por exemplo, muita gente fica até receosa de perguntar. Contudo, como ainda não existem no Brasil fornecedores aptos a oferecer uma solução tão completa de planta como a nossa, gozamos de incentivos fiscais junto ao governo brasileiro, que tornam nossos preços bastante competitivos’; esclarece.

Tal argumentação também é destacada por Pierpaolo Parimbelli, do Grupo Maccabeo, concorrente da Sírio na oferta de construção e instalação de unidades de galvanização. “Trata-se de uma troca de paradigma pela qual a indústria brasileira terá que, obrigatoriamente, passar, à fim de se tornar mais competitiva. Como já aconteceu na Europa e em outras partes do mundo, produzir mais com menos é uma realidade irrecorrível” postula. “Hoje em dia, economizar energia nos processos de produção, por exemplo, é algo que não só ‘fica bonito’ em relatórios de sustentabilidade. Precisamos fazer isso também para garantir a saúde financeira da empresa, a fim de torna-la mais competitiva. E o Grupo Maccabeo tem um olho muito atento sobre essa questão: atualmente, nossas plantas e equipamentos permitem ao galvanizador o aproveitamento operacional de até 93% da energia. Num jogo no qual cada centavo conta, isso, seguramente, faz toda a diferença’; finaliza.